Segurança e Saúde no Trabalho - situações epidémicas/pandémicas - UFCD 10746

Segurança e Saúde no Trabalho – situações epidémicas/pandémicas – UFCD 10746 | 1ª edição [18-02-2021 a 18-03-2021]

0.00


 

Período: 18 de Fevereiro de 2021 a 18 de Março de 2021
Local: Online
Duração: 25.00 hora(s)
Horário: – Pós Laboral: inicio: 18h30

18, 24 e 25 de fevereiro e 2, 4, 9, 11, 17 e 18 de março

FMA_LVT_812_10746

Preço: GRATUITO

Inscrever

 

Limpar

Descrição

– Identificar o papel e funções do responsável na empresa/organização pelo apoio aos Serviços de Segurança e Saúde no Trabalho na gestão de riscos profissionais em situações de epidemias/pandemias no local de trabalho.
– Reconhecer a importância das diretrizes internacionais, nacionais e regionais no quadro da prevenção e mitigação de epidemias/pandemias no local de trabalho e a necessidade do seu cumprimento legal.
– Apoiar os Serviços de Segurança e Saúde no Trabalho na implementação do Plano de Contingência da organização/empresa, em articulação com as entidades e estruturas envolvidas e de acordo com o respetivo protocolo interno, assegurando a sua atualização e implementação.
– Apoiar na gestão das medidas de prevenção e proteção dos trabalhadores, clientes e/ou fornecedores, garantindo o seu cumprimento em todas as fases de implementação do Plano de Contingência, designadamente na reabertura das atividades económicas.
– Papel do responsável pelo apoio aos Serviços de Segurança e Saúde no Trabalho na gestão de riscos profissionais em cenários de exceção
  – Deveres e direitos dos empregadores e trabalhadores na prevenção da epidemia/pandemia
  – Funções e competências – planeamento, organização, execução, avaliação
  – Cooperação interna e externa – diferentes atores e equipas
  – Medidas de intervenção e prevenção para trabalhadores e clientes e/ou fornecedores – Plano de Contingência da empresa/organização (procedimentos de prevenção, controlo e vigilância em articulação com os Serviços de Segurança e Saúde no Trabalho da empresa, trabalhadores e respetivas estruturas representativas, quando aplicável)
  – Comunicação e Informação (diversos canais) – participação dos trabalhadores e seus representantes
  – Auditorias periódicas às atividades económicas, incluindo a componente comportamental (manutenção do comportamento seguro dos trabalhadores)
  – Recolha de dados, reporte e melhoria contínua
– Plano de Contingência
  – Legislação e diretrizes internacionais, nacionais e regionais
  – Articulação com diferentes estruturas – do sistema de saúde, do trabalho e da economia e Autoridades Competentes
  – Comunicação interna, diálogo social e participação na tomada de decisões
  – Responsabilidade e aprovação do Plano
  – Disponibilização, divulgação e atualização do Plano (diversos canais)
  – Política, planeamento e organização
  – Procedimentos a adotar para casos suspeitos e confirmados de doença infeciosa (isolamento, contacto com assistência médica, limpeza e desinfeção, descontaminação e armazenamento de resíduos, vigilância de saúde de pessoas que estiveram em estreito contacto com trabalhadores/as infetados/as)
  – Avaliação de riscos
  – Controlo de riscos – medidas de prevenção e proteção
   – Higiene, ventilação e limpeza do local de trabalho
   – Higiene das mãos e etiqueta respiratória no local de trabalho ou outra, em função da tipologia da doença e via(s) de transmissão
   – Viagens de caráter profissional, utilização de veículos da empresa, deslocações de/e para o trabalho
   – Realização de reuniões de trabalho, visitas e outros eventos
   – Deteção de temperatura corporal e auto monitorização dos sintomas
   – Equipamento de Proteção Individual (EPI) e Coletivo (EPC) – utilização, conservação, higienização e descarte
   – Distanciamento físico entre pessoas, reorganização dos locais e horários de trabalho
   – Formação e informação
   – Trabalho presencial e teletrabalho
 – Proteção dos trabalhadores mais vulneráveis e grupos de risco – adequação da vigilância
– Revisão do Plano de Contingência, adaptação das medidas e verificação das ações de melhoria
– Manual de Reabertura das atividades económicas
  – Diretrizes organizacionais – modelo informativo, fases de intervenção, formação e comunicação
  – Indicações operacionais – precauções básicas de prevenção e controlo de infeção, condições de proteção antes do regresso ao trabalho presencial e requisitos de segurança e saúde no local de trabalho
  – Gestão de riscos profissionais – fatores de risco psicossocial, riscos biomecânicos, riscos profissionais associados à utilização prolongada de EPI, riscos biológicos, químicos, físicos e ergonómicos
  – Condições de proteção e segurança para os consumidores/clientes
  – Qualidade e segurança na prestação do serviço e/ou entrega do produto – operação segura, disponibilização de EPI, material de limpeza de uso único, entre outros, descontaminação
  – Qualidade e segurança no manuseamento, dispensa e pagamento de produtos e serviços
  – Sensibilização e promoção da saúde – capacitação e combate à desinformação, saúde pública e SST
  – Transformação digital – novas formas de trabalho e de consumo
– Formação à Distância na plataforma ZOOM
Romeu Bragança
Arquiteto, sócio-gerente da Connectplan, Lda, desde 2007. É coordenador e consultor de projetos de arquitetura e de engenharias de especialidades. É especialista em segurança contra incêndios em edifícios e em acústica de edifícios, colaborando com diversas entidades públicas e privadas.
Enquanto Técnico Superior de Segurança e Higiene no Trabalho, desenvolveu planos de contingência para diversas entidades.
É formador há mais de 20 anos, nas áreas da segurança e saúde no trabalho, tendo ministrado formação para empresas, associações empresariais e profissionais. É voluntário da Cruz Vermelha Portuguesa (membro ativo – especialista de emergência principal).
– Adultos (> 18 anos) empregados com habilitação mínima ao nível do 3º ciclo (9º ano de escolaridade).
– Os empregados com residência fiscal na área metropolitana de Lisboa, com especial enfoque nos ativos empregados em risco de perda de emprego.
– A ANJE reserva-se o direito de não iniciar as formações nas datas previstas, caso não exista um mínimo de 15 formandos por turma.
– Obtenção de um Certificado de Qualificações mediante avaliação positiva e assiduidade mínima exigida (90%).
– Atribuição de subsídio de alimentação no valor de 4,77€/dia, apenas nas sessões de formação com a duração de 3 horas, fora do horário de trabalho, mediante apresentação de declaração comprovativa do mesmo.
Ana Cristina Rodrigues / Cláudia Almeida
t. 961380970
t. 962882338
Previous Next
Close
Test Caption
Test Description goes like this
Wishlist 0
Continue Shopping